Saúde

Sintomas e tratamento do pólipo placentário

Pin
Send
Share
Send
Send


Pólipo Placentário - formação de pólipos, que é formada na cavidade uterina a partir dos remanescentes de tecido placentário após trabalho de parto complicado, interrupção artificial da gravidez ou aborto espontâneo. As manifestações patológicas causadas por um pólipo placentário incluem sangramento pós-parto tardio ou pós-aborto, às vezes bastante intenso, levando ao desenvolvimento de anemia e à adição de uma infecção secundária. O pólipo placentário é diagnosticado pela coleta de história obstétrica e ginecológica, exame bimanual, ultra-sonografia, histeroscopia e RFE com análise histológica de raspagem. Tratamento do pólipo placentário - cirúrgico (remoção com fórceps, laser, histerorretoscopia, etc).

Causas do pólipo placentário

A formação de um pólipo placentário é precedida por uma gravidez interrompida ou interrompida. Neste caso, o resultado da gravidez pode ser diferente: parto (natural ou cesariana), interrupção espontânea (aborto), aborto médico, aborto retido, seguido de remoção instrumental do óvulo. No entanto, em todos os casos, o início do desenvolvimento de um pólipo é dado por lóbulos no útero do útero, lobos placentários ou vilosidades placentárias, imersos em camadas fibrinoides ou massas trombóticas. O tecido placentário atrasado na cavidade uterina é promovido pelo manejo irracional de um período seqüencial, separação incompleta e remoção da placenta em uma cesariana, curetagem incompleta da cavidade uterina durante o abortamento medicamentoso ou aborto espontâneo.

O fragmento do tecido placentário que permanece na cavidade uterina e firmemente preso à parede fica coberto de coágulos sanguíneos e fibrina por um curto período de tempo e cresce com o tecido conjuntivo. Externamente, o pólipo placentário parece um crescimento plano (creeping) ou cogumelo. Patologicamente, é comum alocar pólipos placentários consistindo de vilosidades intactas (formadas após o medaborte), vilosidades destrutivas (ocorrem no contexto da involução pós-natal incompleta do útero), bem como lobos isolados da placenta com conexões vasculares ao útero.

Sintomas de pólipo placentário

A organização final do pólipo placentário ocorre várias semanas após a conclusão da gravidez. É por isso que a manifestação clínica da doença cai da terceira para a quinta semana após o parto, aborto, aborto espontâneo. O principal sintoma é o sangramento, que muitas vezes é percebido por uma mulher como uma ocorrência natural após os eventos. No entanto, em contraste com a hemorragia fisiológica pós-parto, o sangramento causado por um pólipo placentário aparece um pouco tarde e, em contraste com o pós-aborto, persiste por mais tempo. Inicialmente, o sangramento pode ser bastante escasso, mas com o tempo o sangramento aumenta tanto que obriga o paciente a consultar um ginecologista.

Se o pólipo placentário é a causa de sangramento uterino intenso ou prolongado, desenvolve fraqueza, tontura, fadiga, palidez da pele. A conseqüência da perda de sangue pode ser anemia grave, a adição de uma infecção secundária com o desenvolvimento de endometrite, sepse. A longo prazo, o tratamento tardio de um pólipo placentário pode levar à infertilidade.

Diagnóstico e tratamento do pólipo placentário

Um diagnóstico presuntivo de um pólipo placentário pode ser feito nos casos em que uma mulher observa um aumento ou uma retomada da descarga de sangue 3-4 semanas após o parto ou aborto médico. Quando visto na cadeira pode ser determinado pela garganta uterina escancarada, às vezes - projetando-se da abertura externa do pólo do canal cervical do pólipo. Dados mais confiáveis ​​sobre a presença de educação adicional no útero, sua localização e estrutura nos permite obter ultrassonografia dos órgãos pélvicos.

O estudo mais informativo para suspeita de pólipo placentário é a histeroscopia, que permite examinar a cavidade uterina a partir do interior usando um sistema óptico. As capacidades diagnósticas da histeroscopia são geralmente combinadas com cirurgia - histerorretoscopia e curetagem diagnóstica separada. Um exame histológico subsequente da raspagem endometrial finalmente confirma o diagnóstico de um pólipo placentário.

Se a parte inferior do pólipo é visualizada no canal cervical, um obstetra-ginecologista pode removê-lo com um fórceps. É possível remover um pólipo placentário com um laser cirúrgico. Em todos os casos, o procedimento de remoção é complementado por curetagem fracionária. A fim de corrigir anemia, o paciente é prescrito multivitaminas, preparações de ferro, de acordo com as indicações, os componentes do sangue são transferidos (plasma, glóbulos vermelhos).

No período pós-operatório, o controle da temperatura corporal e do bem-estar geral é necessário. Durante o mês, recomenda-se excluir procedimentos térmicos (incluindo banhos) e esforço físico, para ter cuidado com a hipotermia, para se abster de sexo. Prevenção da formação de pólipos placentários consiste em um exame aprofundado da placenta após o nascimento por uma parteira, se necessário, um exame manual da superfície uterina da mulher, observação da natureza da descarga após o nascimento e término da gravidez, um ginecologista e exames de ultra-som.

Diagnóstico do Pólipo Placentário

Em primeiro lugar, o médico chama a atenção para as queixas do paciente. Descobre quando a primeira hemorragia ocorreu, quão intensa ela é. Então o ginecologista analisa a história da grávida: se houve um aborto antes, parto prematuro, como o nascimento anterior prosseguiu.

Um exame ginecológico. Se o pólipo é grande, a faringe pode estar ligeiramente aberta. Uma ultra-sonografia do útero é necessária, durante a qual um pólipo é visualizado.

  • Sonografia com Doppler, com a qual você pode considerar cuidadosamente a estrutura vascular.
  • Histeroscopia O útero é examinado com um histeroscópio.
  • Exame histológico, que examina a estrutura do tecido ao microscópio.

Complicações do pólipo placentário

Se você não curar a doença de maneira oportuna, tudo pode acabar em sérias conseqüências:

  • Anemia grave - o número de eritrócitos e hemoglobina diminui, porque provoca hemorragia grave.
  • Endometrite - a mucosa do útero está inflamada.
  • Sepse é uma forma grave da doença em que as bactérias entram na corrente sanguínea.

Prevenção de pólipos placentários

  • É melhor planejar uma gravidez. Se você não deseja engravidar, cuide de contracepção confiável para evitar aborto e gravidez.
  • Escolha um bom médico que possa ser confiável para gerenciar o parto ou o aborto.
  • Após o nascimento, certifique-se de inspecionar a placenta. Deve ter uma placenta, sua bainha e cordão umbilical. Deve ser holístico.
  • Uma semana após o parto, é melhor fazer um ultrassom de controle.
  • Realizar terapia anti-inflamatória e anti-bacteriana.

Tratamento cirúrgico do pólipo placentário

A maneira clássica de remover um pólipo é raspando usando um histeroscópio. Um método de tratamento moderno e suave é o laser. Neste caso, complicações e recorrências da doença são excluídas. Você pode recuperar em um curto período.

Após um laser de 4 a 5 dias, a mulher já está totalmente restaurada. A gravidez subsequente não é permitida antes de seis meses. Após a cirurgia, você também deve tomar vitaminas, suplementos dietéticos. Se uma mulher tem anemia ou perdeu muito sangue, a hospitalização urgente é necessária.

Métodos tradicionais de tratamento de pólipo placentário

Por favor, note que o pólipo placentário é uma formação com risco de vida, por isso é necessário tratá-lo apenas sob supervisão médica. Para aliviar os sintomas do paciente, você precisa prestar atenção a estas receitas:

  • É necessário tomar as bagas de groselha preta - uma colher de chá, rosa mosqueta - 3 colheres de chá, folhas de urtiga - 2 colheres de chá. Despeje todos os 500 ml de água fervente, insista cerca de duas horas. Beber 25 ml de manhã, tarde, noite e durante a noite.
  • Tome yarrow erva - 2 colheres de sopa, a mesma quantidade de folhas de sálvia, alecrim, adicione casca de carvalho - 4 colheres de sopa. Deite 700 ml de água. Tudo ferver por cerca de 30 minutos. Arrefecer o caldo e filtrar. Recomendar a utilização sob a forma de ducha.
  • Prepare urtigas - 3 colheres de sopa, erva knotweed - 5 colheres de sopa, flores de camomila - uma colher de sopa, casca de carvalho - uma colher de sopa. Encha tudo com água fervente (litro). Seringa de manhã e à noite.
  • Cozinhar tintura de celandine. Pode ser utilizado não só sob a forma de seringas, mas também por via oral. Para fazer isso, tome um frasco de litro, coloque lá mais ervas de celandine, despeje 500 ml de água fervente. Cubra o frasco e insista cerca de 2 horas. A tintura é bebida pela manhã, tarde e noite. O curso da terapia é pelo menos duas semanas. Então você precisa fazer uma pausa.

Assim, o pólipo placentário é um problema sério para uma mulher. Para evitar complicações, é necessário diagnosticar a doença em tempo hábil. Muitas vezes, o pólipo placentário é uma consequência do descuido dos médicos que mal checaram a raspagem, o parto. É importante que com você durante tais procedimentos alguém esteve e controlou: se a placenta saiu completamente, como bem a raspagem se executou. Confie apenas no obstetra-ginecologista com experiência e conhecimento suficientes, você não deve entrar em contato com um médico desconhecido. A saúde da mulher é um valor, então cuide dela.

O que é um pólipo placentário?

O pólipo placentário é uma neoplasia benigna formada a partir de resíduos do tecido placentário. Tem uma forma arredondada e uma perna, com o qual está ligado à camada interna do útero. A aparência do tumor é acompanhada por hemorragia, distúrbios menstruais e desenvolvimento de patologias concomitantes.

O pólipo afeta a função de engravidar ainda mais, causando infertilidade. À medida que o tamanho do tumor aumenta, o mesmo acontece com o útero, cujas dimensões lembram a gravidez. A neoplasia patológica não é capaz de desaparecer sozinha, requer um exame e tratamento abrangentes.

Dependendo da estrutura patológica, os pólipos são:

  1. Com vilosidades placentárias intactas - permanecem após o aborto médico.
  2. Vilosidades destrutivas - atrasadas devido à remoção incompleta do conteúdo do útero durante o parto,
  3. Fatias isoladas - na maioria das vezes ocorrem como uma complicação da cesariana.

A forma de cogumelo do pólipo torna volumoso. As dimensões se adaptam facilmente ao tamanho do útero. Quando os parâmetros são excedidos, desenvolvem-se sensações dolorosas.

Razões para a educação

O gatilho para a formação de um pólipo é uma gravidez com um desfecho diferente:

  1. Pólipo placentário após o parto - é formado por um atraso na cavidade uterina do tecido placentário do qual o tumor é formado. Quanto mais tecidos restarem, mais rápido o pólipo cresce e se desenvolve.
  2. Pólipo placentário após medaborta - um tumor é formado na ausência de remoção cuidadosa das membranas do óvulo, o que leva a um atraso no útero das vilosidades placentárias.
  3. Congelamento da gravidez com nova curetagem do feto - durante a curetagem mecânica é impossível remover completamente o óvulo fertilizado sem danificar sua casca.

As células da placenta atrasadas são precedidas por:

  • remoção incompleta de uma placenta na seção de Cesariana
  • manejo inadequado do período pós-parto com atraso no nascimento da placenta,
  • curetagem incompleta com curetagem.

Um pedaço de tecido placentário que é retido na cavidade uterina é coberto com coágulos sanguíneos e fibras de fibrina no menor tempo possível, germinando nas camadas mais profundas do órgão. A intensidade do crescimento pode depender de muitos fatores, externos e internos.

Quadro clínico

A manifestação da doença é responsável por 3-5 semanas após a gravidez completa. O principal sintoma é o sangramento uterino profuso, que muitas mulheres percebem erroneamente como normal. A natureza da descarga muda com a progressão da doença. No início, há uma descarga sangüínea escassa, sem dor e outros sintomas desagradáveis. Com o tempo, a intensidade do sangramento aumenta, o que faz com que procure ajuda médica de um médico.

No contexto da hemorragia prolongada, comorbidities como pode desenvolver:

  • anemia,
  • cansaço severo
  • tontura até perda de consciência,
  • náusea e vômito
  • infecção,
  • febre.

Os sinais de um pólipo placentário são semelhantes à manifestação de muitas doenças sexualmente transmissíveis, portanto, diagnósticos complexos serão necessários.

Fadiga e tontura severas - sinais de pólipo placentário

Métodos diagnósticos

Um aspecto importante do diagnóstico é a diferenciação do pólipo placentário e do pólipo uterino decidual. Este último é dependente de hormônios e se desenvolve devido à divisão descontrolada das células endocervicais. O pólipo placentário tem uma relação estreita com a gravidez.

O diagnóstico é realizado de acordo com o esquema:

  1. Entrevistar uma mulher sobre a natureza do sangramento, a duração e a presença de sintomas adicionais.
  2. Exame na cadeira ginecológica - visualização da garganta uterina, da qual uma parte do pólipo é vista, é visualizada.
  3. Ultrassonografia dos órgãos pélvicos - permite visualizar a presença de um tumor no pedículo, seu tamanho e parâmetros adicionais dos tecidos uterinos.

O mais preciso e informativo é a histeroscopia. O procedimento envolve a introdução de uma ocular microscópica na cavidade uterina, que se expande com a ajuda do suprimento de ar. Isso permite que você melhore a revisão e considere o tumor, seguido da amostragem por biópsia.

É um estudo histológico de uma partícula de pólipo que fornece uma imagem detalhada do estado do tumor e das verdadeiras causas de sua ocorrência.

Ultra-sonografia dos órgãos pélvicos - um método eficaz de diagnóstico

Métodos de tratamento

A remoção do pólipo placentário é uma tarefa fundamental no tratamento. O procedimento é realizado de várias maneiras:

  1. Curetagem cirúrgica - o procedimento é realizado de acordo com o tipo de aborto, quando a camada superior do útero, juntamente com o pólipo, é raspada, após o que a membrana mucosa é renovada de forma natural. Este método é eficaz na proximidade do pólipo ao colo do útero. Localizações mais profundas exigem uma abordagem diferente.
  2. Aspiração a vácuo - um aspirador é introduzido na cavidade uterina, através do qual é criada uma pressão negativa. Isso permite que você remova o pólipo junto com a camada superior do útero, o que é eficaz com o tamanho relativamente pequeno dos tumores.
  3. Remoção a laser - é usada na presença de uma perna fina, que é cuidadosamente removida, removendo o pólipo.

Remoção cirúrgica do pólipo placentário

Após a remoção do neoplasma, ele é necessariamente transferido para exame histológico e exclusão da probabilidade de desenvolver câncer. O procedimento é doloroso, por isso, executa-se sob a anestesia geral ou local. O tratamento adicional envolve o uso dos seguintes grupos de medicamentos:

  1. Analgésicos e anti-inflamatórios não-esteróides - reduzem os sintomas dolorosos, inchaço e inflamação.
  2. Antibióticos - previnem o desenvolvimento de um processo inflamatório extenso.
  3. Drogas Hemostáticas - bloqueiam o sangramento, evitando grandes perdas sanguíneas.
  4. Complexos vitamínicos - normalizam processos metabólicos.

Com o desenvolvimento de anemia aguda e alterações patológicas na composição bioquímica do sangue, podem ser nomeados:

  • injeção por gotejamento de soluções líticas,
  • transfusão de sangue ou frações individuais
  • tratamento sintomático visando a síntese acelerada de células sanguíneas.

O tratamento é realizado em um hospital, após o qual será necessário um exame de ultrassonografia de controle.

Com o desenvolvimento da anemia aguda, as transfusões de sangue são realizadas.

Perigo de patologia

Com a progressão de um pólipo placentário, condições de risco de vida podem se desenvolver:

  1. Anemia aguda - desenvolve com extensa perda de sangue, implica uma violação de todos os processos metabólicos no corpo.
  2. Hemorragia extensa, ameaçando o desenvolvimento de choque hemorrágico e morte.
  3. A adesão da infecção, que progride no contexto de microflora favorável e imunidade reduzida.
  4. O desenvolvimento da sepse.
  5. Violação do sistema reprodutivo e a impossibilidade da concepção e gestação subsequentes do feto (síndrome do aborto espontâneo).

Os pólipos placentários no útero podem ficar assintomáticos por um longo tempo, por isso é importante consultar um médico após o parto a cada 20-30 dias até o ciclo menstrual se estabilizar. Na presença de uma cesariana, os riscos de desenvolver patologia aumentam várias vezes, por isso é importante saber como prevenir o desenvolvimento de um estado perigoso que ameaça a vida.

Medidas preventivas

Os principais métodos para prevenir o desenvolvimento de uma patologia perigosa após o parto ou o aborto são os seguintes:

  1. Monitoramento da condição do útero após 10-15 dias após o término da gravidez.
  2. O objetivo das drogas para a redução efetiva do útero no período pós-parto, o que contribui para a remoção natural de resíduos de tecido do útero.
  3. Apelar para o aborto exclusivamente para especialistas com educação adequada e experiência de trabalho. Auto-rescisão da gravidez pode desencadear o desenvolvimento de sangramento e morte.

Um pólipo placentário durante a gravidez não é uma ameaça para o desenvolvimento do feto e da vida da mãe. Sua presença e dinâmica de crescimento são determinadas por meio de dopplerografia e triagem correspondente à idade gestacional.

Os sintomas do pólipo placentário são bastante pronunciados, por isso não ignore o sangramento, deixando de lado sua aparência na fisiologia. Na presença de dor lancinante, dolorosa, alta temperatura e rápida deterioração do bem-estar geral, você deve consultar imediatamente o médico para um diagnóstico.

Sintomas principais

O crescimento placentário no fundo de uma medaborta ou do parto pode passar despercebido, uma vez que a dor abdominal e a descarga uterina são consideradas normais durante esse período.

Uma mulher atenta será capaz de perceber que a descarga do trato genital é diferente das normas de% 3Ca + href% 3D% 5C% 22% 7Burl% 7D% 5C% 22% 3ETEXT_LOOK% 3C% 2Fa% 3E% 3Ca + href% 3D% 5C% 22% 7Burl% 7D% 5C% 22% 3ETEXT_BOOK% 3C% 2Fa% 3E% 3Ca + href% 3D% 5C% 22% 7Burl% 7D% 5C% 22C 3TEXT_BOOK %% 3C% 2Fa% 3E% 3Ca + href% 3D% 5C% 22% 7Burl% 7D% 5C% 22% 3ETEXT_LOCKS% 3C% 2Fa% 3En. O sangramento pode ser de natureza diferente, ocorrer na hora errada e ser mais durável.

Coágulos de sangue normais após o parto vão imediatamente, gradualmente desaparecendo. Com um pólipo, isso acontece depois da hora marcada. Uma mulher pode observar sangramento várias semanas após o parto. O aparecimento de sintomas incomuns deve encorajá-la a consultar um ginecologista para evitar consequências sérias.

As seguintes condições podem ocorrer:

  • tontura
  • fraqueza causada por anemia
  • gotas de temperatura corporal
  • pele pálida
  • perda de consciência
  • dor desagradável no sistema reprodutivo.

Os sintomas do crescimento placentário diferem dependendo do fenômeno após o qual foi formado. É importante distinguir o estado da norma da patologia.

Depois do parto

O pólipo placentário após o parto está associado a remanescentes de partes da placenta no útero. A curetagem incompleta após o nascimento de um bebê ou cesariana leva ao crescimento do tumor.

Os fragmentos deste órgão temporário estão firmemente ligados às paredes do endométrio, fundindo-se. O principal sintoma da patologia neste caso é o sangramento.

Desde o nascimento, as mulheres têm lóquios há algum tempo, as mães primíparas podem não distingui-las da patologia. Sangramento normal após o nascimento de uma criança no mundo não se torna mais forte com o tempo, não muda a intensidade.

Após a cessação de lochia não retoma. Se isso acontecer, é um claro sintoma de patologia.

Se a formação de crescimento placentário no útero for complicada pela adição de uma infecção, a mulher sofrerá com o aumento da temperatura corporal. A ajuda é importante para fornecer o mais rapidamente possível, uma vez que a penetração de bactérias na corrente sanguínea leva à sepse.

Durante o ciclo menstrual

Quando um pólipo placentário no útero cresce como resultado de procedimentos ginecológicos mal realizados ou como uma complicação após um aborto médico, a mulher logo retoma seu período. Se um tumor aparecer, a natureza do sangramento menstrual pode mudar significativamente.

A descarga durante a formação de um pólipo diferencia-se na duração. A menstruação normal já deve estar completa, mas o sangramento continua. A condição pode causar complicações como:

  • inflamação e disfunção dos ovários,
  • infertilidade
  • sépsis
  • anemia.

Se a patologia não for curada rapidamente, a partir de então, mesmo após a remoção, as recaídas são possíveis. Algumas doenças das mulheres levam ao fato de que, para se livrar delas, é necessária a remoção completa do útero. Neste caso, a função reprodutiva é perdida para sempre.

Apenas o pólipo placentário durante a gravidez não requer tratamento. O problema desaparece sozinho após o parto. A doença não afeta o crescimento, o desenvolvimento da criança e o processo de carregar.

Durante a gravidez

Às vezes, o pólipo placentário no útero começa a crescer durante a gravidez. Exame antes da concepção não mostra patologia, mas ultrassons subsequentes revelam uma violação. Não se preocupe, porque neste caso a doença não é perigosa, após o nascimento do bebê, o estado se estabiliza por conta própria.

A mulher poderá suspeitar da aparência de um pólipo da placenta devido aos seguintes sintomas:

  • aparência de sangramento do útero,
  • dor e cãibras
  • flutuações na temperatura corporal
  • descoloração da secreção mucosa uterina.

Embora a patologia durante a gravidez não seja perigosa, para evitar complicações, é importante entrar em contato imediatamente com um ginecologista e ser examinado. Isso tornará possível ter certeza de que a criança não está em perigo e a gestação é normal.

Diagnosticando

A remoção do pólipo placentário é realizada somente após um diagnóstico completo da saúde da mulher e determinação do tipo de neoplasia. O diagnóstico inclui os seguintes passos:

  • tomada de história,
  • exame ginecológico
  • levando biomaterial para pesquisa,
  • Ultra-som,
  • histeroscopia.

Em casos mais raros, a colposcopia e a dopplerografia são utilizadas para diagnosticar neoplasias placentárias. Tais estudos são necessários se o médico achar difícil fazer um diagnóstico.

Antes do exame, o ginecologista entrevistará a mulher, especificando quais procedimentos precederam a ocorrência de sintomas negativos. Isso ajudará a determinar as alterações que a mucosa do útero pode sofrer.

Exame da mulher com a ajuda de espelhos ginecológicos permitirá ao médico avaliar a condição do colo do útero e do canal cervical. Em casos raros, o tumor se projeta ligeiramente para dentro da vagina.

O ultra-som do neoplasma permite confirmar sua presença no útero. Utilizando histeroscopia, o material é coletado para exame histológico, a fim de determinar o tipo de tecido e diferenciá-lo de um tumor oncológico.

Remoção de pólipos

Um pólipo após um aborto ou parto é removido do útero por intervenção cirúrgica. No momento, este é o método mais eficaz para prevenir a recorrência da doença.

A remoção do pólipo endometrial é realizada por vários métodos. Eles diferem no grau de lesão dos tecidos do útero e no período de reabilitação. Métodos mais usados, como:

  • raspagem de ferramentas,
  • aspiração a vácuo,
  • congelamento
  • cauterização.

A curetagem clássica usa menos e menos. Embora este método possa remover completamente o pólipo coriônico após o abortamento medicamentoso, o método é traumático. Sangramento a longo prazo e complicações não são excluídos.

Cada vez mais, a criodestruição com nitrogênio líquido ou cauterização com um eletrocoagulador é usada. Após tais intervenções, as mulheres se recuperam rapidamente, mas nem sempre é possível realizar um exame histológico da neoplasia após sua remoção.

Em casos extremamente raros, mais terapia cardinal é realizada - remoção completa do útero e dos anexos. Tal tratamento é realizado apenas com um tumor oncológico confirmado ou com a formação de múltiplos pólipos. Essa técnica é às vezes atribuída às mulheres se a polipose placentária se repetir repetidamente.

O tratamento de um pólipo placentário após o aborto médico ou o parto com medicação é realizado após a cirurgia. Uma alternativa à remoção completa da educação tal terapia só pode estar nos seguintes casos:

  • pólipo é pequeno e não interfere com a mulher,
  • não provou propensão para malignidade,
  • não agrava o curso de outras patologias da esfera sexual.

Posição expectante do médico não significa que o tratamento não é necessário. Durante este período, a mulher deve passar por exames regulares do útero para controlar o crescimento do pólipo.

A terapia competente reduzirá os sintomas da polipose no estágio de preparação para a cirurgia ou depois dela. Frequentemente, os médicos prescrevem o uso de tais grupos de medicamentos como:

  • preparações de ferro - para evitar anemia devido à perda de sangue,
  • antibióticos - quando se associa a uma infecção bacteriana,
  • antiinflamatórios não-esteróides - para alívio da dor,
  • antiespasmódicos,
  • vitaminas.

Há casos em que uma mulher começou outra gravidez no contexto da doença. Durante os seguintes gêneros, as membranas fetais foram liberadas junto com o pólipo. Os tecidos placentários foram removidos com a criança e o tratamento começou.

No entanto, essas situações são uma exceção. Na maioria dos casos, terapia médica adequada e cirurgia são necessárias.

O que é pólipo placentário perigoso

Com um pólipo placentário, condições dolorosas e potencialmente fatais podem se desenvolver:

  • Perda de sangue crítica.
  • Anemia
  • Infecção secundária.
  • Sepse - envenenamento do sangue.
  • A endometrite é uma inflamação do revestimento uterino.
  • No período remoto: infertilidade.

Tratamento do pólipo placentário

O único tratamento eficaz para o pólipo placentário é a remoção cirúrgica.

Pinça - um tipo de pinça cirúrgica

  • Remoção de pólipo com fórceps. A operação é realizada visualizando uma parte do pólipo no colo do útero ou no caso de contra-indicações para a histeroscopia terapêutica.
  • Histeroscopia cirúrgica terapêutica.
  • Cirurgia a laser.

Após a remoção do pólipo placentário, como regra, a curetagem diagnóstica separada da mucosa uterina é realizada. Contra-indicação para curetagem pode ser infecção (sepse).

O tecido do pólipo placentário presumido removido durante a operação é enviado para exame histológico. É importante excluir a doença trofoblástica (vesícula biliar, corionepitelioma, carcinoma coriônico).

O que é isso?

Depois de conceber uma criança, uma placenta começa a se formar no corpo da futura mãe. Sua educação completa termina na 14ª semana de gravidez. Com essa concha interna, o bebê recebe nutrição e as substâncias necessárias. Após o nascimento do bebê, a placenta deixa o corpo da mulher em trabalho de parto. No entanto, há casos em que a placenta não é completamente rejeitada pelo útero e suas pequenas partículas permanecem no corpo. Com o tempo, os coágulos sanguíneos podem permanecer neles. Esta nova formação é chamada de "pólipo placentário após o gênero".

As principais causas de

Existem várias razões para a formação de um pólipo:

  • Aborto pobre ou cesariana, após o qual a placenta não foi completamente removida por um médico.
  • Demasiada aderência da placenta ao útero, que pode causar descarga incompleta da placenta após o parto.
  • Formação incomum da placenta, que é caracterizada pela formação de uma parte adicional. Após o nascimento, esse lóbulo é muito difícil de separar do útero.
  • O desenvolvimento do processo inflamatório durante a gravidez.
  • Insucesso hormonal no corpo.

Exame ginecológico

Para diagnóstico preciso por um médico pode ser usado tais métodos e métodos de exame:

  • Exame de ultra-som.
  • Histeroscopia
  • Exame de doppler.

Se você tem um pólipo placentário formado após o parto, então você não deve esperar que o problema desapareça por si só. Você não pode tentar parar o sangue, e o tumor não vai resolver. Além disso, o tratamento medicamentoso em tais situações, o resultado também não o faz.

A remoção do pólipo placentário após o parto é feita cirurgicamente. Não tenha medo do processo em si, a operação é sempre realizada com anestesia ou sob anestesia geral. Atualmente, os médicos praticam várias maneiras de remover tumores:

  • Raspagem é o mais comumente usado. Pode ser realizado da maneira antiga, quando apenas ferramentas padrão são usadas, ou o uso de um histeroscópio é possível. Ele permite que você evite fazer incisões, e o médico pode observar o processo na tela do monitor. O procedimento é realizado sob anestesia geral.
  • Remoção usando um laser.
  • O uso de equipamentos de ondas de rádio.
  • O pólipo placentário após o parto também pode ser removido pela exposição à eletricidade.

Os últimos três tipos de remoção de tumores implicam cauterização da base do pólipo. Eles também são caracterizados por sinais comuns: indolor, curta duração da operação (não mais do que uma hora), falta de cicatrizes.

Se você foi diagnosticado com um pólipo placentário após o parto, então você não deve atrasar o tratamento com um médico para obter o tratamento necessário. Se o tumor não for removido em um tempo razoável, pode levar a outras conseqüências desagradáveis.

Possíveis conseqüências do desenvolvimento da doença

Se o tempo não se aplica para o tratamento necessário, a doença pode ter as seguintes conseqüências:

  • Processo inflamatório no útero.
  • Perda excessiva de sangue pode causar anemia.
  • Possíveis alterações nos ovários.
  • O desenvolvimento de uma doença infecciosa, incluindo sepse.
  • Infertilidade, uma vez que um pólipo pode causar um ovo para anexar à parede do útero.

Como evitar a ocorrência desta doença?

Para não enfrentar um problema semelhante, você precisa usar medidas preventivas. Entre eles estão os seguintes:

  • Inscrição oportuna de uma mulher grávida e exame regular.
  • Observação cuidadosa do corpo e condição após o parto e aborto.
  • Tratamento oportuno para assistência médica em caso de sintomas típicos da doença.
  • Conformidade com as regras e regulamentos de higiene pessoal.

Se, no entanto, após o parto, forem encontrados sintomas alarmantes, é necessário contactar imediatamente o seu médico para evitar o desenvolvimento de consequências e doenças mais graves.

Assim, os pólipos após o parto são bastante comuns, mas conhecendo os sinais e sintomas da doença, pode-se evitar o desenvolvimento de consequências negativas.

Prevenção de Pólipos Placentários

  • Contracepção adequada, planejamento da gravidez (evitar o aborto).
  • Inscrição antecipada de gestante e acompanhamento regular por obstetra-ginecologista.
  • Gestão qualificada do trabalho fisiológico, cesárea, pós-parto.
  • Exclusão de abortos criminais ou de artesanato, parto fora de instituições médicas (casa, na água, etc.)

O que é um pólipo placentário e como é tratado

Um pólipo placentário é uma complicação que pode se desenvolver após o parto, abortos perdidos, abortos espontâneos ou abortos.

Esta formação é formada na cavidade uterina das partículas remanescentes da placenta. O pólipo placentário é capaz de ocorrer não apenas após o parto ou o aborto, mas também no período de carregar um filho.

No entanto, neste caso, não representa uma ameaça para a saúde da mulher e o curso da gravidez.

Tipos e causas da educação

O pólipo placentário é formado nos casos em que a placenta não foi completamente removida do útero.

Seus fragmentos estão firmemente ligados à parede do útero, e coágulos de sangue aderem a eles, o que leva à formação de um pólipo.

Dependendo do tamanho da partícula da placenta, que se tornou a base para o desenvolvimento de um pólipo placentário, a formação pode ter uma base larga ou uma perna fina.

Um pólipo formado de tecido placentário ou membranas durante a gravidez é chamado decidual. O aparecimento de tal pólipo é considerado uma das variantes do curso normal da gravidez. Não causa complicações e não requer tratamento especial, pois após o nascimento, geralmente desaparece sem qualquer intervenção.

Se um pólipo surgiu como uma complicação após a gravidez, aborto espontâneo ou aborto, ele é considerado verdadeiro e requer tratamento. Como pode ser visto pelo mecanismo de formação do pólipo placentário, as principais causas desta patologia podem ser o manejo inadequado do período pós-parto ou a curetagem insuficiente do útero durante um aborto, aborto ou aborto perdidos.

Sintomas e diagnóstico

O principal sinal clínico de um pólipo placentário é o sangramento uterino. Confunde-se facilmente com a hemorragia natural, que muitas vezes surge depois de um aborto ou parto, mas com o desenvolvimento de uma hemorragia de pólipo é mais prolongada. Junto com a descarga, aparecem sintomas de perda de sangue e anemia incipiente - tontura, fraqueza, fadiga.

Sangramento geralmente ocorre duas semanas após um aborto, aborto espontâneo ou parto. A princípio, pode ser escasso, mas em 3 a 5 semanas o pólipo se forma completamente e começa a causar sangramento intenso. Sua intensidade é muitas vezes tão forte que pode causar anemia severa e exigir a hospitalização urgente de uma mulher.

O diagnóstico de suspeita de pólipo placentário pode incluir as seguintes etapas:

  • Análise da história obstétrica e ginecológica e das queixas do paciente - quando o sangramento apareceu, quão intensas elas eram, se a mulher teve um aborto, abortou ou deu à luz de 2 a 5 semanas antes do início do sangramento.
  • Exame ginecológico, detectando sangramento uterino e garganta aberta do útero. O pólipo pode ser sentido através do canal cervical e, para tamanhos grandes, pode até ser visível através da garganta.
  • Ultrassonografia do útero para exame detalhado do pólipo.Se o uso do ultra-som para discernir um pólipo falhar, a dopplerografia é usada, permitindo que você veja mais claramente a estrutura vascular da formação.
  • Histeroscopia - exame do útero com um dispositivo especial. O procedimento permite examinar detalhadamente a estrutura externa do pólipo.

O tratamento de um pólipo placentário pode incluir três áreas: remoção da formação do útero, eliminação da anemia que se desenvolveu devido à perda excessiva de sangue e prevenção ou alívio do processo infeccioso.

Remoção de pólipos pode ser realizado por curetagem do útero ou aspiração a vácuo.

Na maioria das vezes, o pólipo placentário é removido com um instrumento cirúrgico especial, seguido de curetagem das paredes do útero. Após a remoção, é realizado um exame histológico do tecido removido.

Em caso de hemorragia grave, o procedimento de curetagem pode ser realizado em caráter de emergência, sem diagnóstico prévio.

Tratamento da anemia nomeado em casos em que a perda de sangue foi longa e abundante, o que levou a uma diminuição nos níveis sanguíneos de hemoglobina e glóbulos vermelhos. Normalmente, vitaminas e preparações de ferro são prescritas para normalizar a saúde de uma mulher. No entanto, em casos particularmente graves, podem ser necessárias transfusões de sangue.

Tratamento da infecção realizada com a ajuda de drogas antibacterianas, correspondendo à gravidade do processo patológico e ao tipo de patógeno. A remoção do pólipo em tais casos é realizada somente após a infecção ser completamente eliminada.

Caso contrário, a intervenção cirúrgica pode provocar uma disseminação ainda maior do processo infeccioso.

A exceção é a hemorragia com risco de morte: se houver intervenção cirúrgica mínima, o pólipo é removido, mas a curetagem uterina é descartada.

O pólipo placentário detectado oportunamente responde bem ao tratamento e não causa nenhuma complicação.

Ninguém está imune a essa patologia, já que ela pode se desenvolver mesmo sob cuidados médicos qualificados, portanto, depois de um aborto, parto ou aborto espontâneo, é obrigatório fazer uma ultrassonografia uterina. Isto tornará possível identificar a provável complicação o mais cedo possível e evitar a ocorrência de efeitos perigosos para a saúde.

Sintomas e tratamento do pólipo placentário. Maneiras populares

Um pólipo placentário é uma formação na cavidade uterina que se forma porque parte da placenta permanece. Na maioria das vezes, a patologia é provocada por aborto espontâneo, aborto induzido, também ocorre após o processo de nascimento. Quais são os sintomas do pólipo placentário? O que é educação perigosa? É possível curar um pólipo placentário?

Pin
Send
Share
Send
Send